2ª residência JOSELY CARVALHO Viana, ES.

Foto Tom Boechat

Cheiros e memórias na Galeria de Arte Casarão, em Viana (ES)

Exposição da artista plástica Josely Carvalho disponível para visitação  desde 19 fevereiro  convida o público para despertar o olfato

A Galeria de Arte Casarão, no município de Viana (ES), abriu as portas no sábado, 19 de fevereiro, de 10h às 14h, para a abertura da exposição  URU-KUM as disciplinas esquecidas, da renomada artista plástica Josely Carvalho. Sua obra transita entre o virtual e o tempo real, por meio de instalações que fazem uso de escultura, gravura, poesia, vídeo, som, livro-arte, fotografia, olfato e web. A mostra vai até 30 de junho de 2011 e a entrada é franca. 

O trabalho exposto, é resultado da segunda edição do Programa de Residência Artística, projeto que se realiza a partir de um convite a um (a) artista, nacional ou estrangeiro (a), para residir no município de Viana durante um período, trocando experiências de caráter artístico com os moradores e personagens locais, como forma de investigar e identificar o patrimônio artístico da cidade. A artista desta edição, Josely Carvalho, paulistana que vive entre Nova York e Rio de Janeiro, fez de Viana o seu ateliê, estreitando o diálogo entre a comunidade de Araçatiba, os jovens do bairro Marcílio de Noronha e a arte. Por meio de vivências, workshops e oficinas narrativas, orientados por ela, com a coordenação pedagógica de Célia Ribeiro.

Mas, que arte cabe numa cidade? Que cheiros guardam a memória de uma cidade? Foram esses os questionamentos que Josely trouxe na sua bagagem, desde novembro de 2010, para o município de Viana, que tornou-se sua residência e laboratório. Durante essa etapa da residência artística, ela orquestrou situações de redescobrimento dos vários espaços de vivência, por meio do olfato e das memórias trazidas pela percepção do cheiro, envolvendo as comunidades e etnias de Viana. “O cheiro é essencial nas relações sociais e amorosas. As memórias que incluem lembrança de odores têm tendência a serem mais intensas e emocionalmente mais fortes”, relata a artista.

A exposição ocupar os dois andares da galeria. No primeiro piso serão projetados os vídeos produzidos no “Diário de Campo” e duas instalações de arte/olfativa intituladas “Livro dos Cheiros” e “Vidro-de-Cheiro”. A primeira apresenta um conjunto de ervas medicinais colhidas por Josely, em Araçatiba, como proposta de documentar os cheiros e o comportamento dessas ervas ao serem comprimidas entre as páginas de um livro. A segunda trata-se de uma instalação coletiva na qual pretende-se guardar os cheiros que desvendam as memórias de Viana: 300 frascos em tamanhos e formas diversas, com tampas coloridas. Esses frascos foram distribuídos no município para que cada pessoa pudesse contribuir com sua memória olfativa, depositando histórias, objetos e cheiros em cada vidro com seu respectivo rótulo.

No segundo piso, encontra-se a instalação cujo título dá nome à exposição: URU-KUM as disciplinas esquecidas e a videoinstalaçãoNÃO POSSO CHEIRÁ-LO”.

O município de Viana foi escolhido como local de residência artística por apresentar uma geografia urbana peculiar e ser configurado por bairros isolados que necessitam de uma estimulação e mediação, quem sabe pela arte, para interagirem. Neste segundo ano, a tentativa está em provocar o olfato da população local, articulando e construindo em Viana um mapa de cheiros que despertasse memórias e convidasse o público de outros territórios do Espírito Santo, do Brasil e do mundo para refletir sobre essa experiência coletiva e sensorial.

O nome da exposição tem o propósito de nos fazer pensar sobre o cheiro como uma disciplina esquecida em uma sociedade que valoriza o que é visual. Sobre o uruku – uru-ku em tupi –, Josely analisa: “Poderia dizer que o processo desta residência se assemelha à construção de um ninho? Ninho acolhedor de vivências passadas, presentes, futuras. Ninho que se pinta, se veste, se disfarça, se transforma.  Ninho de urucum?  Vermelho alaranjado das paredes pintadas do quarto do meu filho recém-nascido.  Aquele mesmo laranja de um auto-retrato em xilogravura que fiz na minha adolescência com a cabeça coberta por flores cor de urucum.   Cor que havia esquecido e que reencontro no cheiro de uma muqueca capixaba”.

A curadoria da exposição é de Kátia Canton e a curadoria geral do projeto de Neusa Mendes.  O Programa de Residência Artística é uma realização da Prefeitura de Viana, patrocinado pela ArcellorMittal e apoiado pelo Sebrae, Wheaton do Brasil, Incom, Aptar, Politintas, Ufes-Proex , Secult e Sincades.

Durante o período da exposição, acompanhe as notícias e informações pelo site (ainda em construção): http://www.artepatrimonio.com.

Cheiros no Rio de Janeiro e Nova York:

A instalação Diário de Cheiros: Nidus Vitreo, de Josely Carvalho, no Museu Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro,   ficou exposta de dezembro de 2010 até 13 de março. Informações: (21) 2219-8474.

Uma mostra de vídeos e gravuras, produzidos pela artista,  no BronxArtSpace, em Nova York, de 17 de fevereiro a 13 de março de 2011.  

Mais sobre Josely Carvalho:

A artista plástica Josely Carvalho nasceu em São Paulo, mas reside entre Nova York e Rio de Janeiro. Sua obra explora temáticas culturais e sociais enfocando o híbrido, o desabrigo, o transitório e o nomádico da globalização atual. Ela recebeu vários prêmios e residências, entre eles: Creative Capital Foundation, New York State Council for the Arts, New York Foundation for the Arts,  National Endowment for the Arts, Rockefeller Foundation, International Studies, Bellagio, Itália, Harvestworks Media Center, NY, Franz Masereel Printing Center, Kasterlee, Bélgica.

Blog Diário de Cheiros: http://www.joselycarvalho.net/blog/diaryofsmells

Site da artista: http://www.joselycarvalho.net

 Mais sobre o Programa de Residência Artística:

A primeira edição do Programa de Residência Artística surgiu com o projeto [Re] invenção de uma cidade, um dos dez projetos selecionados pelo Edital Arte e Patrimônio (2009), lançado nacionalmente pelo Paço Imperial, em parceria com o Ministério da Cultura\IPHAN, com o patrocínio da Petrobras, e realizado pela Prefeitura Municipal de Viana. O artista plástico José Rufino foi o primeiro convidado a visitar Viana e a residir nela, de modo que pudesse, ao mesmo tempo, observar os moradores. Ao fim dessa vivencia foi lançada a exposição Silentio, na Galeria de Arte Contemporânea Casarão, aberta de 30 de janeiro a 30 de março de 2010.

Serviço:

Programa de Residência Artística 2010 – Mas, que arte cabe numa cidade?

Exposição URU-KUM, as disciplinas esquecidas, de Josely Carvalho.

Abertura dia 19/02/11, de 10h às 14h. 

Disponível para visitação até 30/06/11; de terça a sexta, das 10h às 18h. Sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h.

Local: Galeria de Arte Casarão

Av. Florentino Ávidos, Centro, Viana-ES.

Referência: próxima à pracinha central e à Prefeitura.

Maiores informações e agendamento de visitas monitoradas:

(27)3255-1196 / (27)3255-1346.

Curadoria Geral Neusa Mendes

Curadoria convidada  Kátia Canton

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s